Maragogi e a Covid-19: As trapalhadas de um tal Gabinete da Crise

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A pandemia provocada pelo novo coronavírus tem mostrado a eficiência e a ineficiência de alguns governantes, em Alagoas, no Brasil e no mundo. O Brasil, notoriamente, é um péssimo exemplo para o mundo. No município de Maragogi, litoral norte de Alagoas, os erros foram e são constantes. O “Gabinete da Crise”, assim denominado pelo gestor do município – que é médico –, cuja composição é formada por mentes brilhantes do “alto escalão” do seu governo para direcionar o gestor ao caminho dos acertos, só tem mostrado uma certa desinformação e causado trapalhadas. Vejamos:

28 de abril – A pandemia mal começa e o prefeito já determina a reabertura do comércio, restaurantes, pousadas e hotéis, recentemente fechados, por determinação do governo do estado. O decreto de nº 016/2020 valeria a partir do dia 1º de maio. A medida chega a ser publicada no Diário Oficial dos Municípios (DOM).

30 de abril – Prefeito recua e emite um novo decreto, o de nº 018, revogando o decreto anterior e prorrogando as medidas anteriores, além de acrescentar outras novas.
Naquela data, Maragogi tinha apenas seis casos confirmados do novo coronavírus (COVID-19), e dois óbitos.

20 de maio – Prefeito libera a reabertura de academias de ginásticas, salões de beleza e barbearias, através de mais um decreto, o de 021, seguindo o mau exemplo do presidente da República, que ensina tudo o que não deve ser feito na pandemia. Bolsonaro classificou essas atividades como serviços essenciais em decreto presidencial publicado no dia 11 de maio.

22 de maio – Após pedido da Defensoria Pública do Estado, o Tribunal de Justiça (TJ-AL) determina a suspensão do decreto nº 021. De acordo com a decisão do presidente TJ-AL, desembargador Tutmés Airan, o Município também deveria se abster em publicar qualquer outro decreto que contrarie às determinações do decreto de emergência estadual que proíbe a abertura de salões, barbearias e academias de ginástica. As medidas restritivas em todo o estado valeriam até o dia 31 de maio.

Conclusão do presidente do TJ: “…atividades não contempladas no Decreto nº 69.844, de 19 de maio de 2020, do Governador do Estado, e nem nos anteriores, bem como determino que se abstenha de adotar qualquer ato ou medida contrários às determinações estaduais de resguardo à saúde pública. 15. Advirta-se que o descumprimento desta decisão caracteriza a incidência do crime de desobediência previsto no art. 330, do Código Penal, na conformidade do que prescreve o art. 26, da Lei nº 12.016, de 07 de agosto de 2009, ficando o infrator em flagrante permanente.” O prefeito revogaria, de novo, outro decreto, no dia 25 de maio.

16 de novembro – No dia seguinte da eleição, o prefeito convoca os apoiadores para o arrastão da vitória. O evento político é realizado na orla marítima da cidade. Com banda e trio elétrico, milhares de pessoas comemoraram o carnaval que, com certeza, não terá em 2021.

10 de dezembro – Já com a segunda onda da pandemia em crescimento, aterrorizando todo o mundo, o gestor comemorou seu aniversário num badalado receptivo turístico, aglomerando amigos, correligionários e alguns eleitores mais privilegiados. Como se já soubesse que não faria queima de fogos no Réveillon, resolve usar o estoque comprado nesta data: o magnífico show pirotécnico chama a atenção dos pobres mortais dos munícipes que não foram convidados. O evento, com direito a banda musical, está sendo chamado pelos maldosos de “a festa do Carlinhos Maia do Caribe Brasileiro”.

18 de dezembro – O prefeito anuncia que Maragogi terá queima de fogos na virada do ano. O município, mais uma vez, quer se diferenciar das outras cidades e de outros estados. “Em Maragogi, não há motivos para preocupação com relação à aglomeração, pois seguiremos a orientação do Governo do Estado em não permitir festas acima de 300 pessoas e, por isso, vamos manter a tradição da queima de fogos”, diz ele ao portal Circuito Alagoas. Falou-se de um Decreto, mais um, que não mostrou as caras.

26 de dezembro – Prefeito anuncia que contraiu a Covid-19. Novamente, a prefeitura volta atrás e cancela a queima de fogos na virada do ano.

Aguardemos os próximos decretos a serem cancelados e as próximas aglomerações promovidas pelo Poder Público de Maragogi, já que ainda estamos no meio de uma pandemia.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.