Prefeitura de Ipojuca é multada em R$ 20 mil após esgoto escorrer por areia da praia de Porto de Galinhas em direção ao mar

De acordo com a CPRH, isso constitui infração ambiental. Vídeo gravado na segunda-feira (15) flagrou água escura tomando conta de trecho da orla, no Litoral Sul
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Esgoto a céu aberto na praia de Maragogi

A prefeitura de Ipojuca foi multada em R$ 20 mil pela Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) após esgoto sem tratamento ter sido lançado na areia da praia de Porto de Galinhas, no Litoral Sul de Pernambuco. A infração ambiental aconteceu na segunda-feira (15).

Imagens enviadas para o WhatsApp da TV Globo mostram o esgoto escorrendo, com força, a céu aberto em direção ao mar. O despejo de uma água escura e com mau cheiro, que saía de uma espécie de vala aberta na praia, chamou a atenção de turistas e moradores.

Em nota, a CPRH declarou que a equipe de fiscalização da agência constatou que “a prefeitura de Ipojuca opera um sistema de esgotamento sanitário precário, com a utilização de poço de acumulação e retirada frequente do esgoto, por meio de caminhões do tipo limpa-fossa”.

De acordo com o diretor de Controle de Fontes Poluidoras da CPRH, Eduardo Elvino, isso constitui uma infração ambiental com penalidade prevista na lei estadual 14.249, de 2010.

G1 entrou em contato com a prefeitura de Ipojuca, que disse que iria se pronunciar sobre o caso quando a administração municipal for notificada sobre a multa, o que não havia ocorrido até a tarde desta sexta-feira (19).

A água suja atingiu um local em que estavam comerciantes e clientes, que tiveram que sair da região por causa do problema (veja vídeo acima). Por meio de nota divulgada na noite da segunda-feira (15), a prefeitura de Ipojuca disse que o vazamento ocorreu devido às chuvas registradas em seis horas.

Nesse intervalo de tempo, a cidade contabilizou um índice pluviométrico de 74,9 milímetros. O município informou que a água da chuva provocou um “extravasamento das manilhas de escoamento pluvial”.

Ainda no comunicado, a administração municipal afirmou que “não há saneamento básico na praia de Porto de Galinhas” e que o processo de implantação da rede de esgotamento sanitário foi alvo de uma disputa judicial, desde a gestão anterior.

Também de acordo com o Poder Executivo municipal, foram obtidos, junto ao governo federal, através do Ministério das Cidades, recursos para realizar a obra em 2017, e a prefeitura tem cobrado a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) solução para o problema de esgoto em Porto de Galinhas.

Procurada pela TV Globo, a Compesa informou que ainda não responde pelo esgotamento do município. As obras de saneamento do município fazem parte do programa Cidade Saneada e devem ser iniciadas em 2022, disse, ainda, a companhia.

G1

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.