Permissionários “abrirão” as piscinas naturais de Maragogi nesse sábado (20), depois de acordo no MP

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Em reunião realizada na tarde desta sexta-feira (19), na sede do Ministério Público de Alagoas (MP-AL) em Maragogi, entre os proprietários de embarcações e a representante do MP no município, ficou acordado que os permissionários que operam nas piscinas naturais de Maragogi voltarão a exercer suas atividades normalmente nesse sábado (20). E aguardarão um posicionamento definitivo sobre os procedimentos que serão adotados pelo gestor do município até a quarta-feira (24).

Na manhã desta sexta-feira (19), esses profissionais bloquearam todos os acessos às piscinas naturais do município, em decorrência da aprovação do Projeto de Lei que altera o Sistema de Transporte Aquaviário, modificando a Lei Municipal de n° 692. O fato atraiu a atenção de boa parte da mídia alagoana.

“Esse projeto foi apresentado pela primeira vez há cerca de seis meses”, explica um representante da categoria. “O texto então começou a ser discutido por nós, junto com nosso advogado, que emitiu parecer, houve aquela repercussão, e o gestor se comprometeu em fazer algumas adequações, dando a entender que concordava com os nossos requerimentos. Recentemente, porém, o gestor voltou a apresentar o projeto com o mesmo texto. Então, foi elaborado um outro parecer à Câmara, solicitando que o mesmo fosse encaminhado à Comissão de Justiça e Legislação da Casa.”

“Na terça-feira passada”, continua o profissional, “fomos pessoalmente à Câmara, onde fizemos a sustentação oral, informando todos os pontos da ilegalidade, falamos que o projeto estava viciado, prejudicando as categorias, e os vereadores concordaram que era necessário apresentar emendas.”

Na sessão de ontem, o Projeto de Lei foi colocado em plenário novamente, e, de acordo com o representante, não leram o texto-base – isso aí já causaria nulidade da aprovação –, nem foram votadas as emendas. A revolta da categoria são essas emendas, que não foram incluídas no projeto.

Ademias, o art. 123 do Regimento Interno da Casa diz que “nenhum projeto será definitivamente aprovado antes de passar por duas discussões e votações, além da redação final, quando for o caso.”

“Sequer o Regimento da Casa foi cumprido”, dispara o homem. “Então essa aprovação ocorrida na noite de ontem cabe nulidade. Inclusive tomamos conhecimento de que os dois vereadores, Júnior de Barra Grande e Fio, vão entrar com ação anulatória.”

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.