Professores do cadastro de reservas do concurso de 2019 fazem protesto na Câmara de Vereadores

Profissionais foram pedir apoio dos vereadores para ser nomeados
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Na sessão da Câmara Municipal de Maragogi, no Litoral Norte de Alagoas, realizada na noite dessa quinta-feira (02), dez professores do Ensino Fundamental, especificamente da área de magistério e pedagogia, representando um total de 37 docentes, que estão na reserva de vagas do Concurso Público que foi feito no município em 2019, reivindicaram e pediram apoio dos vereadores para que a prefeitura os convoquem, nomeando-os para as vagas que lhes são de direito.

O protesto se deu por meio da leitura de uma carta aberta, realizada por José Benildo Cardoso de Melo, um dos profissionais na lista de espera, juntamente com a exibição de um cartaz exigindo a convocação imediata e entrega de panfletos. A principal reivindicação é que atualmente o Município tem um quadro de professores contratados sem a formação adequada, que, inclusive, segundo eles, tiraram notas abaixo dos docentes que estão na reserva de vagas, e, além disso, alguns estão erroneamente com até dois contratos para turnos diferentes (manhã/tarde), também de acordo os reivindicadores.

Na carta aberta, constam os seguintes motivos para exigência de suas vagas: primeiramente, por conta da vacância, alegando que há vagas existentes para encaixar os docentes na lista de espera, o que é de acordo com o cadastro de reservas que está no edital do concurso. Porém, não são chamados. O segundo motivo é por conta de um processo de seleção simplificada que ocorreu em Maragogi, realizado em fevereiro de 2021, onde mesmo existindo um concurso vigente, a prefeitura fez um processo seletivo e contratou mais de 100 profissionais, sendo 63 deles professores da área de magistério e pedagogia, com contratos de até dois turnos diferentes.

O terceiro motivo é devido à exoneração de vagas por causa da desistência e aposentadoria, o que ocasionaria na dispensa do servidor e possibilidade de convocar quem está na lista de reserva. Contudo, isto não aconteceu. A quarta razão do manifesto é oriunda da ausência de informações da empresa responsável pelos contratos de professores e funcionários da Educação de Maragogi, a Cooperativa intitulada COOPERSBA (Cooperativa de Trabalho e Prestação de Serviços Gerais e Específicos), o que impossibilita os docentes de terem acesso à transparência das vagas. O último motivo é a falta de informações no Portal da Transparência de Maragogi, que prometeu ser atualizado pela Procuradoria na última visita dos professores à cidade, porém, até o momento não houve atualização.

Os vereadores chegaram ao consenso de pedir um ofício exigindo um esclarecimento, tanto da Procuradoria como da Prefeitura de Maragogi, para convocação dos professores das vagas de reservas.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.